Blogger com o Intuito de levar aos Brasileiros, o ramo do Agronegócio e do Meio Ambiente no Oeste do Paraná.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Limites à cana de açucar


Decreto que veta a expansão do cultivo da gramínea nos biomas da Amazônia e do Pantanal autoriza plantio em 204 dos 399 municípios do Paraná


Está proibida a expansão da área de cana-de-açúcar em Aba­­tiá, Colorado, Nova Olímpia, No­­va Santa Bárbara, Pinhalão, Santo Antônio do Paraíso, São Jerônimo da Serra e Tapejara. Os oito municípios, que estão entre os 142 que plantam cana atualmente no Paraná, foram vetados pelo Zoneamento Agro­eco­lógico da Cana-de-açúcar (ZaeCana). Juntos, eles cultivam 38,3 mil hectares, 6% da área estadual, estimada acima de 600 mil hectares.
Outros quatro municípios paranaenses teriam que reduzir a área plantada em até 64%. É o caso de Porecatu, no Norte do estado, que hoje tem 13,7 mil hectares cobertos com cana e, conforme o Zae, só pode cultivar 4,9 mil. Considerando também Paranacity, Jacarezinho e Bom Sucesso, que também estão nessa lista, 13,6 mil hectares estariam desabilitados, o equivalente a 2% da área do estado.

No total, o zoneamento excluiria 51,9 mil hectares que hoje são ocupados pela cana no Paraná. Excluiria, no condicional, porque o Decreto 6961, que aprova o Zae, deixa de fora das novas regras as áreas de produção já consolidadas nos estados do Centro-Sul. Além do Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Goiás também são beneficiados.
Se todos os 142 municípios paranaenses que já plantam fossem ampliar suas áreas até o limite previsto, o estado saltaria para 2,8 milhões de hectares de cana. Incluindo os outros 70 que hoje não plantam, mas que têm o cultivo autorizado e juntos podem plantar até 1,1 milhão de hectares, seriam 3,9 milhões de hectares no estado, área semelhante à cultivada por São Paulo na safra passada (3,85, segundo a Conab).
Mas isso dificilmente irá acontecer. Primeiro, porque o Paraná tem grande tradição no cultivo de grãos como soja milho, trigo e feijão (e um mercado já cativo). Por serem lavouras temporárias, dão mais flexibilidade de produção ao agricultor do que a cana, que é uma cultura semiperene, com ciclo médio de cinco anos. “O zoneamento não determina se haverá ou não expansão da cana no Brasil, apenas abre espaço para essa possibilidade. Funciona como um indutor, apontando claramente ao investidor quais as melhores áreas em cada estado”, explica o coordenador-geral de Açúcar e Álcool da Secretaria de Produção e Agroenergia (SPAE), do Ministério da Agricultura (Mapa), Cid Caldas.
Para isso, o Mapa dividiu o Brasil em áreas de baixa, média e alta aptidão ao cultivo da cana. Conforme os critérios adotados no ZaeCana, as regiões mais aptas ao cultivo da gramínea devem ter temperatura média anual de acima de 20ºC , produtividade superior a 60 toneladas de cana por hectare e risco de geada menor que 15%. No Paraná, 66% das áreas onde o plantio é recomendado recebem essa classificação.
No estado, é possível encontrar exemplos como o de Rolândia, que hoje cultiva 5,8 mil hectares plantados e pode aumentar essa área em até 272%, num total de 21,5 mil hectares, tudo em regiões de alta aptidão. No outro extremo, há casos como o de Rondon. Campeão paranaense em produção de cana, com quase 22 mil hectares cultivados atualmente, o município pode ampliar em 48% a extensão plantada, para 32,5 mil hectares, mas a maioria das áreas em que o plantio é permitido é classificada pelo Mapa como de baixa aptidão. Há ainda exemplos como o de Umuarama, que hoje tem 7,9 mil hectares e pode chegar a até 112,3 mil, crescendo em áreas de alta, média e baixa aptidão.
Apesar das restrições, pouco muda o mapa da cultura no Paraná. A proposta do governo com o ZaeCana é proibir a expansão do cultivo nos biomas Pantanal, Amazônico e na Bacia do Alto Paraguai, o que afetará 92,5% do território brasileiro. As maiores áreas consideradas impróprias para cultivo estão acima do paralelo 24°S. O Paraná está localizado entre os paralelos 22 e 27°S.


Fonte: RPC

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário